Orientações para doação de Sangue


REQUISITOS PARA DOAÇÃO DE SANGUE


  • Estar em boas condições de saúde.
  • Não estar em jejum. Caso tenha almoçado, aguardar no mínimo 2 horas para doar. Se o alimento for muito gorduroso, aguardar até 3 horas.
  • Ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas.
  • Não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12 horas.
  • Não ter feito doação de sangue há menos de dois meses (homem) e há menos de 3 meses (mulher).
  • Ter idade entre 18 e 67 anos, 11 meses e 29 dias (exceto se primeira doação, cujo limite é até 60 anos) e peso superior a 50 kg.
  • Entre 16 e 17 anos apenas com consentimento formal do responsável legal.
  • Apresentar RG ou outro documento oficial com foto.

  • IMPEDIMENTOS TEMPORÁRIOS


  • Sintomas de resfriado, gripe ou diarréia há menos de 1 semana.
  • Ferimento ainda não cicatrizado.
  • Algum tipo de alergia no dia da doação.
  • Gravidez. Parto ou aborto há menos de 3 meses ou estar amamentando até 12 meses após o parto.
  • Acupuntura há menos de 3 dias ou 12 meses sem condição de avaliação do material.
  • Tatuagem, “piercing” ou maquiagem definitiva há menos de 6 meses. 12 meses quando não se tem certeza se todo o material utilizado, inclusive a tinta da tatuagem, foi descartável. “Piercing” na língua ou em órgãos genitais 12 meses após a retirada.
  • Ter viajado para a região Amazônica ou outra região de Malária (Maleita) nos últimos 12 meses (consultar o Banco de Sangue).
  • Vacinas há menos de 1 ano, ou uso de medicamentos (consultar o Banco de Sangue).
  • Ter sido submetido a qualquer procedimento endoscópico (endoscopia, colonoscopia, etc.) há menos de 6 meses.
  • Extração dentária, tratamento de canal ou de gengivite, ou drenagem de abscesso há menos de 7 dias; remoção de tártaros, obturação, ou outro procedimento com anestesia local há menos de 3 dias; ou procedimento sem sangramento e sem anestesia (pequenas cáries e ajustes de aparelho) há menos de 1 dia.
  • Cirurgias: dependendo do porte, o impedimento poderá ser de 3, 6 ou 12 meses (consultar o Banco de Sangue).
  • Ter contraído alguma DST (Doença Sexualmente Transmissível) há menos de 12 meses. No caso de Sífilis (Cancro), mesmo tendo sido tratada há mais de 12 meses, a inaptidão para doação continua até os exames sorológicos fiquem Não Reagentes (Negativos).
  • Fica inapto para doação por 12 meses a pessoa nas seguintes situações:
  • Ter feito sexo com um ou mais parceiros ocasionais ou desconhecidos.
  • Homens que tiveram relações sexuais com outros homens e ou as parceiras sexuais destes.
  • Ter recebido transfusão de sangue ou componentes, ou ter estado em tratamento de hemodiálise; ter tido relação sexual com pessoas das condições anteriores ou com portador de infecção de transmissão sexual e sanguínea.

  • IMPEDIMENTOS DEFINITIVOS


  • Diabetes insulino-dependente.
  • Câncer (exceto carcinoma in-situ de colo uterino e baso celular de pele).
  • Bronquite e asma (crises com intervalos de 3 meses ou menos, sem controle por medicamento por via inalatória).
  • Doenças autoimunes (consultar o Banco de Sangue).
  • Malária (febre quartã-Plasmodium Malarie).
  • Antecedente de AVC.
  • Hepatite viral após 11 anos.
  • Doença cardíaca e pulmonar grave.
  • Tuberculose extrapulmonar.
  • Doença de Chagas.
  • Hanseníase.
  • Doenças gastrointestinais, neurológicas e endócrinas (consultar o Banco de Sangue).
  • Doença de Creutzfeldt Jakob (Vaca louca). Ter permanecido de 1980 a 1996 no Reino Unido ou Irlanda por mais de 3 meses. Ter permanecido 5 anos ou mais na Europa após 1980 (consultar o Banco de Sangue).
  • Infecção por vírus da AIDS ou Hepatite B, C ou HTLV.
  • Usuário de drogas injetáveis.

  • Orientações para candidatos à doação de plaquetas


    CERTOS PACIENTES NECESSITAM DE APENAS ALGUNS COMPONENTES DO SANGUE


    O sangue é um líquido vital, utilizado diariamente pelos pacientes deste hospital. Alguns pacientes necessitam apenas de certos componentes específicos do sangue. Por exemplo, pacientes com doença na medula óssea ou submetidos à quimioterapia, radioterapia e/ou transplante de medula óssea ou de fígado, freqüentemente necessitam de múltiplas transfusões de plaquetas. Eles precisam de pessoas especiais que se ofereçam para doar plaquetas por meio de um processo chamado AFÉRESE.

    Componentes do SANGUE TOTAL e suas funções:


  • PLAQUETAS – células sanguíneas que agem no início do processo de coagulação (no controle do sangramento).
  • PLASMA – parte líquida do sangue, acelular, contém as proteínas e outros elementos necessários para coagulação do sangue.
  • GLÓBULOS BRANCOS – células sanguíneas que têm a função de combater microorganismos, etc.
  • GLÓBULOS VERMELHOS – células sangüíneas que atuam no transporte de oxigênio e gás carbônico.

  • O QUE É AFÉRESE?


    AFÉRESE é o procedimento que separa o componente desejado do sangue total, devolvendo os demais componentes para o doador. O sangue retirado da veia do braço do doador passa por um sistema de tubos (kit), estéreis e descartáveis, instalados em uma máquina separadora de células. Este kit contém uma unidade coletora de sangue (cinta ou bowl) que, por centrifugação, separa os componentes em função de seus diferentes pesos específicos (densidades). Na centrifugação, os glóbulos vermelhos por serem mais pesados se separam do plasma (líquido). Entre estes dois componentes, surge uma camada de células, onde estão os glóbulos brancos e as PLAQUETAS. As plaquetas são, então, automaticamente drenadas para uma bolsa de coleta e os demais componentes do sangue retornam continuamente ao doador.

    PORQUE SOU NECESSÁRIO?


    As plaquetas não podem ser fabricadas. Elas só podem ser obtidas de você, doador sadio. Pacientes com leucemia e outras doenças malignas freqüentemente apresentam uma diminuição na sua contagem de plaquetas. Nessas situações, a medula óssea, que é responsável pela produção das células do sangue, pode ficar temporariamente deficiente devido ao crescimento de células malignas ou devido a tratamentos quimioterápicos. Durante este período, em que os pacientes não estão produzindo adequadamente suas próprias células sangüíneas, eles são extremamente vulneráveis, e por falta de plaquetas, podem apresentar sangramento espontâneo importante. Transfusões freqüentes de plaquetas ajudam esses pacientes durante os períodos críticos de seu tratamento.

    O PROCEDIMENTO É SEGURO?


    As pessoas têm uma grande quantidade de plaquetas no sangue. Se você é sadio, poderá facilmente compartilhá-las, pois apenas uma pequena porcentagem delas é coletada. As plaquetas são rapidamente repostas pela medula óssea do doador, de forma que sua perda é reposta em poucos dias. Os glóbulos vermelhos (hemácias), que são repostos mais lentamente, não são perdidos durante a doação de plaquetas por aférese.

    QUAL A DURAÇÃO DA COLETA?


    A duração do procedimento depende de sua contagem de plaquetas, do seu peso e altura, ou seja, da quantidade de sangue do seu organismo. Normalmente o tempo varia de 60 a 80 minutos. Aproveite esse tempo para assistir televisão ou simplesmente relaxar um pouco.

    COM QUE FREQÜÊNCIA POSSO DOAR?


    Após 48 horas de uma doação de plaquetas por aférese, você poderá fazer uma nova doação, porém não deve exceder a 4 doações no mês e 24 no ano.

    COMO ME CANDIDATAR?


    Para ser um doador de plaquetas você deve inicialmente atender as condições gerais para doação de sangue (é importante informar-se sobre estas condições). Além disso, deve apresentar uma contagem adequada de plaquetas no sangue e boas condições de acesso venoso no braço. É recomendável que tenha feito doação de sangue total há menos de um ano e tenha tido os resultados dos exames sorológicos negativos (normais). Você não poderá ter tomado medicamentos que contenham ácido acetilsalicílico, anti-agregantes plaquetários e ou antiinflamatórios não hormonais ATÉ 5 DIAS ANTES da doação de plaquetas. Exemplos: Ácido Acetilsalicílico (AAS, Aspirina, Melhoral, Sonrisal, Alka seltzer, Engov, Somalgin, Bufferin, Cardioaas, Persatin), Diclofenacos (Voltaren, Cataflan, Deltaren, Tanderil), Meloxicam (Meloxil, Movatec), Piroxicam (Feldene), Fenilbutazona (Butazolidina, Butazil, Reumazine), Clopidogrel (Plavix, Iscover), Ticlid (Ticlopidina), e similares.